A Morte de Stalin
Filmes - Biografia, Comédia Dramática
A Morte de Stalin (2017)
(The Death of Stalin)
  • País: França, Reino Unido
  • Classificação: 16 anos
  • Estreia: 7 de Junho de 2018
  • Duração: 108 min.

A Morte de Stalin | Crítica

Filme injeta humor ácido na história da União Soviética e crítica todos os regimes políticos no caminho

Fazer uma comédia sobre um regime totalitário é uma tarefa complexa. Exatamente por isso que a A Morte de Stalin, dirigido por Armando Iannucci (Veep), mostra em seus primeiros minutos como pretende conduzir essa história: a ideia aqui é mostrar temas pesados (como execuções solicitadas por Stalin) com piadas de gosto agridoce, que fazem o público se questionar se realmente deveria estar rindo daquilo.

O longa é baseado na HQ homônima de Fabien Nury e Thierry Robin, e mostra o que acontece nos bastidores da União Soviética imediatamente após a morte de Josef Stalin, em 5 de março de 1953. Após a descoberta do corpo, o comitê de Stalin se reúne e começa a discutir como será o futuro do país depois daquilo. Mas enquanto são feitos os preparativos para um grande funeral, Beria (Simon Russell Beale), Malenkov (Jeffrey Tambor), Nikita (Steve Buscemi) e Molotov (Michael Palin) estão preocupados realmente com quem vai “assumir” o lugar de Stalin e o que cada um deles pode ganhar com aquilo: de poder, à libertação de presos políticos do antigo comandante, entre outras coisas.

O tom cômico da história fica realmente interessante porque toda essa disputa precisa ser feita nas entrelinhas: politicamente é um momento delicado, e ninguém quer arriscar a vida ou perder os privilégios que já tem. Além disso, todos os membros do comitê são extremamente despreparados para o que está acontecendo. Há vários momentos em que nenhum deles sabe exatamente o que fazer e a realidade dessa incompetência é muito engraçada. Claro, tudo só é possível pela interação do elenco principal. Beale, Tambor, Palin e, principalmente, Buscemi, estão totalmente à vontade com seus personagens e é perceptível que cada um deles estudou nuances, olhares, movimento das mãos, formas de andar, etc.

Escrito a quatro mãos, incluindo o diretor e o criador da HQ, o roteiro de A Morte de Stalin aposta em piadas extremamente rápidas, que pedem uma boa atenção do público para acompanhar tudo o que está acontecendo. A recompensa são momentos ácidos que estão ali para criticar a União Soviética, mas no fim das contas servem para falar dos problemas de todos os regimes políticos: o desejo de tirar vantagem de tudo, o individualismo e a completa falta de preocupação com o povo. Para aqueles que estão no poder, os problemas da população são só uma forma de conseguir ou não mais popularidade.

Porém, embora esse humor seja muito bom e muito bem feito no filme, ele fica desgastado no terceiro ato. Depois de mais de 1h nessa maratona de ironias e confusões, o público já entendeu o quão despreparados os líderes são e há uma sensação de que o filme deveria evoluir e concluir sua mensagem. Mas o deboche final de A Morte de Stalin é que não há um ensinamento positivo ou negativo sobre o que aconteceu. Stalin morreu e foi substituído por alguém com ânsia de poder, que depois foi substituído de novo e isso continua até os dias de hoje, seja na Rússia ou nos Estados Unidos.

Leia mais sobre A Morte de Stalin

Nota do crítico (Ótimo) críticas de Filmes
 

Discuta aqui no site Discuta aqui

O Omelete disponibiliza este espaço para comentários e discussões dos temas apresentados no site. Por favor respeite e siga nossas regras para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas.

Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

blog comments powered by Disqus