Altered Carbon
Séries e TV - Drama, Action
Altered Carbon (2018)
(Altered Carbon)
  • País: Estados Unidos
  • Classificação: Não definido
  • Estreia: None
  • Duração: indisponível

Altered Carbon - 1ª Temporada | Crítica

Série da Netflix é um raro prato cheio para os fãs do cyberpunk

Cyberpunk é uma aposta arriscada. Mesmo tendo um público considerável, são raros os casos em que representa sucesso financeiro. Nem mesmo Blade Runner, a adaptação de Androides Sonham com Ovelhas Elétricas? que é referência absoluta do gênero, escapa, acumulando dois fracassos de bilheteria (o original de 1982 e a continuação, Blade Runner 2049, em 2017). O histórico não impediu que a Netflix apostasse todas as suas fichas em Altered Carbon, primeiro grande lançamento original do serviço de streaming em 2018.

Adaptação da obra de Richard K. Morgan, a trama é ambientada em um mundo futurista onde a consciência humana é armazenada em pequenos implantes - chamados de Stacks - que podem ser transferidos de um corpo para outro, efetivamente inutilizando a morte e reduzindo o corpo humano a um receptáculo. É nesse contexto que surge Takeshi Kovacs (inicialmente interpretado por Will Yun Lee), um rebelde insurgente que é revivido 250 anos após sua morte em um novo corpo (Joel Kinnaman) para investigar o misterioso assassinato do milionário imortal Laurens Bancroft (James Purefoy).

Eventualmente o caso se revela como parte de algo maior, e é aí que o seriado brilha. Mesmo em uma cidade vibrante e colorida, a série foca na problemática vida da superfície, repleta de crime e sujeira. Usando o assassinato como ponto de partida, a narrativa mostra um mundo onde a ausência da mortalidade indica a perda da humanidade, agravando as diferenças sociais e econômicas e criando uma verdadeira guerra silenciosa - porém muito violenta - entre as várias camadas da sociedade. Esses são elementos característicos do gênero, mas que frequentemente são apenas jogados de plano de fundo em obras que se apropriam da estética neon e seus carros voadores. Altered Carbon não comete esse erro, e sim investe em colocar as questões trazidas pela “alta tecnologia e baixa qualidade de vida” no holofote. É universo cyberpunk fiel, ou seja, o mais imundo e brutal possível.

Muitos temas são explorados: os desejos pervertidos dos ricos, os efeitos da imortalidade na mente e na ética, a evolução das inteligências artificiais e da realidade virtual, ou a novas facetas da religião e a relação dos fiéis com o mundo moderno, na forma de um Neo-Catolicismo. Diferentes perspectivas e a exploração da condição humana são o ponto-central de cada capítulo, somando cerca de dez densas horas de conteúdo que passam a sensação de uma sociedade real, profunda e problemática.

O único problema talvez seja no desenvolvimento das tramas. O roteiro introduz personagens e histórias inéditas a todo momento, mas apanha um pouco para fechar todos os arcos de forma digna. Frequentemente, uma pista que é investigada e evolui para algum cenário interessante é concluída com alguém recontando os eventos ou explicando suas motivações, como o filho declarando que cometeu erros ao tentar conquistar o respeito do pai. Pelos fins anti-climáticos, falta de foco no caso principal - que é até esquecido por alguns capítulos - ou apenas por explicar as resoluções ao invés de dar pistas para o espectador decifrá-las sozinho, fica claro que Altered Carbon não se preocupa tanto com o lado detetive noir da coisa

Quando se trata do visual, é o contrário. O programa preza pela sua apresentação estética a todo minuto, seja nas cenas que mostram o cotidiano nas ruas banhadas por neon, as comunidades ricas nos céus ou os hologramas de inteligências artificiais. A qualidade impressiona, e talvez seja o melhor série original da Netflix nesse aspecto: não há nada como o Demogorgon de computação gráfica destoante da primeira temporada de Stranger Things, por exemplo.

Não é certo se o seriado vai superar a “maldição” financeira do cyberpunk, mas isso não torna menos impressionante o nível de detalhe, profundidade e qualidade que a Netflix investiu em uma série do gênero. Com ótimas atuações, boa ação e um universo interessante pedindo para ser explorado, Altered Carbon é um dos raros pratos cheios que os fãs recebem apenas de vez em quando. Melhor aproveitar enquanto ainda está quente, pois é bem possível que não exista outro tão cedo.

Nota do crítico (Ótimo) críticas de Séries e TV
 

é ela q é ruim mesmo. na verdade todos ali são de medianos a ruins.

A galinha chorooooouuuu... com esses 4 ovos do crítico. - O homi da Kombi dus ovu.

É terrivel o Joel Kinnaman como protagonista. Seria melhor o personagem voltar pro corpo do Will Yun Lee.

Ótimas atuações?? Só se for do Poe. A típica série que você acaba torcendo para os "vilões" devido os mocinhos serem tão ruins. A Ortega foi terrível do início ao fim, foi realmente frustante a sensação final dessa série pois minha expectativa era absurdamente alta pelo tema.

A serie traz à tona o que a "humanidade" (talvez...) mais careça atualmente: uma revisão de conceitos. Esse futuro distópico retratado é apenas um entre inúmeros prováveis e possíveis. A "perda" de princípios e as falhas de caráter evidentes a tantas décadas desencadearam o descontrole social que vivemos hoje em dia. Ótimo roteiro para quem quiser refletir...

O ator careca, barbudo e tatuado foi o que mais surpreendeu! Fez um skinhead, uma velha mexicana e um russo doidão de formas perfeitas que parecia mesmo que o cara tava com um stack de verdade, vou procurar saber o nome dele! HAHAHA!

Gostei muito da série, do visual, dos conceitos abordados e dos atores. Mas é claro que não é algo que vai cativar o grande publico. Pra mim não é necessário uma segunda temporada, a primeira ja fechou de maneira satisfatória.

é isso mesmo, no momento que Poe é "morto" pelo Leung, o hotel meio que volta a ser "abandonado", sujo e sem brilho e requinte como antes da intervenção do Poe!!!

É EXATAMENTE ISSO nulity, a série começa a melhorar no terceiro episódio, onde a mesma dá um salto de qualidade e você começará e entender todos os conceios jogados nos primeiros 2 episódios, vale a pena assistir, série belíssima visualmente com ótimo roteiro!!!

Contando minha percepção, comecei a ver a série sabendo nada além do conceito das capas, eu desisti no final do primeiro episódio, mil nomes e conceitos jogados ao mesmo tempo, aquela parte do samurai fodão sendo baleado, o cenário do céu ultra artificial nossa foi super cringe, me lembrou aquelas ficções toscas do syfy. Eu que já não ando animada com as produções originais da netflix somado ao fato de uma hora por episódio, 10 fucking horas no total! resolvi deixar de lado então. Vim no omelete achando que a série seria descascada e parece que to lendo reviews de outra produção com tantos elogios, inclusive aos efeitos visuais que me incomodaram muito, agora to pensando em dar mais uma chance, pode ser que o piloto seja cansativo mas depois melhore ou que não me dou com esse gênero.Veremos.

Sinceramente...Curto esse tipo de narrativa, mas não vi nada de diferente nessa série. Me pareceu uma mistura de "O preço do amanhã", com "Matrix" e "O Demolidor". No fundo é só um reflexo futurista da sociedade em que vivemos onde os poderosos, como uma espécie de máfia, manipulam os entes estatais para se perpetuarem no poder enquanto os mais humildes vivem das migalhas que o Estado lhes dá. A narrativa é bem feita e tal, mas me faltou o fator surpresa. Comercialmente não acho que essa série vá longe.

Pensando bem isso já se perpetua. Pq tem passado o controle de geração a geração dentro das mesmas famílias, veremos ainda muitos e muitos anos de Sarneys, Collors, ACMs, Renans, Neves, Inácios e etc.. Excluímos aí apenas a questão da imortalidade mas, não o da transmissibilidade...rsrsr

Apesar da série ter um roteiro e algumas atuações fracas, passa por questões muito profundas, como a questão da imortalidade, que dialoga muito com o livro incrível de Ernest Becker, A Negação da Morte. Aqui fala mais sobre isso: http://farofageek.com.br/series/altered-carbon-niilismo-cyberpunk-heroismo-negacao-da-morte/?utm_source=comentarios&utm_medium=sites&utm_campaign=omelete

Seria tipo um Doctor Who Cyberpunk kkk

Terminei de ver ontem...infelizmente mais um daqueles casos clássicos de potencial desperdiçado. Varias premissas boas de sci-fi amarradas num roteiro cheio de "reviravoltas" que nada acrescentam a trama, mais um final besta que só (na minha opinião). O universo criado é muito show, os atores estão bem (destaque para o ator Chris Conner que faz o concierge Poe), mas dá pra ver que falta um roteiro melhor e principalmente uma montagem mais dinâmica. Tem horas que é difícil lembrar quem está no corpo de quem, de tanta troca que os caras fazem. As cenas de ação são ok, os excessos de nudes nem incomodam tanto (assim como a canastrice do Joel Kinnaman), mas o que começa bem temina sem sal e chato. Uma pena.

Bosta....

kkkkkk

Hj foi difícil de terminar o Sétimo capitulo, mas com esforço vou terminar essa série kkkk

A premissa dos cartuchos e das capas é sensacional, e só. A série é arrastada. Terminar um episódio as vezes é um martírio! Aquele "romancezinho" da Ortega com o Kovacs é um porre de chato e clichê. Não consegui terminar de assistir, chatíssimo!

Assisti essa temporada há pouco tempo. É bem legal, tem uma história muito boa, boas reviravoltas, bom suspense, boas cenas de ação, e personagens bem desenvolvidos. Se ainda não assistiu, vale a pena assistir.

O ponto levantado lá em cima não foi transferir sem fazer uma cópia, e sim se seria possível transferir consciência e memórias para um dispositivo digital de armazenamento. Para dizer categoricamente que isso não é, e nem nunca será possível, você teria que saber exatamente os processos que formam a consciência e de que forma o cérebro "guarda" as memórias das experiências vividas. Sem isso, não dá pra soltar o microfone e dizer: não pode! Quanto a ser copia, claro que no momento que você transfere você está "copiando". Isso acontece com arquivos num computador, é tudo uma cópia, já que nada existe fisicamente. Na série eles fazem exatamente isso. De alguma forma toda a informação é decodificada e transferida para o stack, de onde ela pode ser colocada em outro corpo e continuar como se nada tivesse acontecido. Mas o debate continua aquele, aquela cópia é você? No momento que existe apenas uma, fica fácil dela assumir a identidade única da consciência que a gerou e com a qual ela compartilha todas as memórias. Mas no momento em que se duplica, como aconteceu com o Tak na série, qual dos dois é o real? O primeiro é mais real que o segundo só porque veio primeiro? E sim, seria muito estranho ter todas as memórias de algo que você não viveu de fato.

Cara vcs tem problema pra entender. Veja não dá pra fazer isso nem transferindo de um pendrive para outro. E olhe que neste caso toda a informação é virtual. Não é uma questão de capacidade de processamento, nem de armazenagem, nem de desenvolvimento tecnológico. Para "transferir" uma memoria sem fazer uma copia, seria necessário transladar toda a estrutura atômica, com todos os átomos e elétrons sendo deslocados da posição onde estão para outra mantendo exatamente a mesma correlação entre estes. Ou seja é mais fácil arrancar o cérebro inteiro e colocar em outro corpo. Sobre se a copia saberia que é uma copia, é claro que sim, pois uma vez que ela recebeu toda a informação do original, ela tbm teria a informação sobre sua geração. Portanto a copia teria todas as memorias do original inclusive a informação de que ela é uma copia. Seria muito estranho, ter todos as memorias do original e saber que elas não são suas de verdade. Rachael que o diga...

Não existe hoje, sabe lá o que vai rolar no futuro. Se a gente considerar que a consciência não é algo que existe separado do corpo (alma), que é uma "criação" do cérebro, e considerando que basicamente o nosso cérebro funciona com sinais elétricos que "armazenam" informação de alguma forma (que ainda não sabemos como) então, seria plausível imaginar que se possa "salvar" uma consciência em um outro receptáculo que não o cérebro. Questão de quantidade de memória pra isso é algo impossível de prever, mas levando em conta que a capacidade dos computadores e memória cresce de forma quase exponencial, não é louco imaginar que em 300 anos a gente ande com um pendrive na casa dos zettabytes (3 ordens de magnitude maior que um 1 terabyte). Obviamente que é daí que vem o debate filosófico se o que foi salvo é você ou não. Para a cópia salva, sem saber que é cópia, ela continuaria sendo a mesma pessoa de sempre. Isso é até explorado em vários episódios de Black Mirror, onde a consciência é copiada e a cópia tem que entender que ela é apenas uma cópia, mas ainda assim consciente de sua própria existência.

Político brasileiro...

acho que a ideia é bem essa msm.

E por incrível que pareça isso pode ser um ótimo atrativo. Já pensou cada temporada um novo Takeshi kovacs.

Essa ideia do download da mente é espetacular, pois é perfeita pra diversidade tão buscada hoje em dia por series e filmes, é interessante ver atores tão diferentes interpretando os mesmos personagens, o que levanta muito bem a discussão sobre o quanto a diferença entre humanos pode apenas estar começando. A líder da resistência é uma atriz bem interessante. A serie deve ser daqui uns 500 anos no mínimo eu acho, pois os humanos colonizaram outros mundos e depois de 250 anos é que a história começa ... tomara que na próxima temporada mostrem mais desses outros mundos... excelente temporada

ele é brasileiro? rsrs

O dono do hotel pode simplesmente estar usando ele pra lavar dinheiro...

O fato de ser possível trocar as capas torna os atores bem substituíveis, de forma coerente...

Essa série me surpreendeu muito, tô gostando muito dela. Uma pena que o ator principal já disse que não volta, caso tenha a segunda temporada.

kkkk, sério isso poderia ser melhor explicado.

Troll bait, fail.

Tinha dinheiro guardado.

Série incrível.

essa série é foda, rumo a segunda temporada

Que cópia irmão. A consciência é uma coisa individual. Se fosse para imaginar eu imaginaria esses dados não podendo ser copiados e se fossem copiados a pessoa sofreria um bug por essa consciência estar ativa em dois corpos ao mesmo tempo. Bom tudo ainda fica na imaginação.

Eu curti essa trama da garota. Mas de fato já aparece muitas personagens com um certo destaque. Concordo e muito com a líder da resistência, foi massa a personagem dela.

Curti muito a série. O ponto negativo são alguns diálogos feitos de forma muito rápida e com nomes de personagens que você tem que fazer um pouco de esforço para se lembrar. O ponto positivo são as tramas que não deixam a desejar fazendo com que você se apegue a elas: -investigação sobre o assasinato do Matusa -passado de kovacs (época final da resistência) - a interação com seus amigos e o caso da filha de seu amigo que é "curada" pelo Poe (inteligência artificial dona do Hotel). Obs: elenco excelente, me apeguei a quase todos de tão boas as atuações.

A série é MUITO boa ! Eu particularmente gosto demais de generos desse tipo, mas reconheço que se aventurar em produções assim é um risco enorme de se decepcionar, porque tem que ter muita criatividade e até uma dose de sorte para que tudo aconteça de forma bem feita e agradável. A série é ótima, os efeitos são ótimos e a história convence. Lógico, é preciso aceitar algumas coisas meio que "sem questionar" para que tudo faça sentido (como por exemplo as motivações e a relação quase doentia entre a vilã e o principal), mas nada que desmereça a série. Espero que haja uma segunda temporada, acredito que tem muita coisa que pode ser abordada. Netflix acertando mais uma vez !

Tem que ter a mente aberta pra simplesmente aceitar que todo o hotel é parte de um único "ser", que é Poe, e enquanto ele estivesse "vivo", o hotel continuaria de pé. Provavelmente com a "morte" do gerente, o hotel deve cair aos pedaços, pelo menos é o que eu imagino.

A falta de educação do Brasileiro é sem limites.

Só não entendi uma coisa, se o hotel do Poe está parado há 5 décadas, como ainda fica ativo, limpo e com recursos? rsrs

Eeey, o menino Joel está muito bem em The Killing. No Robocop também não foi mal...

No capítulo quatro, o processo de tortura virtual é o mesmo de 250 anos atrás; eles poderiam ter trabalhado isso um pouco melhor. Ou abreviavam esse tempo ou colocavam Kovac impressionado com os carros voadores e outras tecnologias...coisas assim, simples, que fariam um monte a mais de sentido.

Ele cita algumas coisas a respeito, mas ele é um Emissário e eles são treinados pra se adaptar rápido. Vai ver é isso.

Eu também, fui ver um episódio antes de dormir e só parei quando terminei a série. Fantástica!

cm ctz brother a minha é 4k e fiquei impresionado algumas horas!!netflix acertou mais uma vez!!!

Cara... mal é explicado o cenário de 250 anos atrás. De qualquer forma , apesar de não ter como provar , acho que houve uma certa estagnada para a população em geral.... na verdade as melhorias foram voltadas pra depravação dos imortais enquanto que outras tecnologias ficaram obsoletas ( como as IAs) e o surgimento de um movimento contra a tecnologia ( os neocatolicos.

A série é maravilhosa. Para mim, apesar de não ser perfeita (poderiam ter cortado algumas passagens novelescas do texo), em nada diminui o resultado final...Mais um ponto pra Netflix.

Mano, duzentos e cinquenta anos é muito, mas muito tempo...se a imaginação voa alto na ficção, é um contra senso congelarmos as possibilidades tecnológicas por conveniência de produção (ou de neurônios, pois um novo mundo precisa ser imaginado e gestado). Fica estranho, muito estranho para quem é chato como eu, que deveria ver o lado mais lúdico da coisa. A imortalidade em si não paralisa as atividades de melhoria, se já estamos na condição divina - imortal - cabe em seguida tornarmos o mundo à volta no verdadeiro Jardim do Éden, mesmo que só para a elite, como demonstrada no filme. Mas claro, ainda estou no terceiro capítulo, vou continuar.

A percepção de tempo era outra naquela época, 200 anos pode parecer mto, quando na verdade é pouco

Acredito que temos que separar boa atuação, e de um homem que quando criança matou seu pai e começou a ser treinado para uma equipe de combate de elite

Não é porque vc não achou que quer dizer que n teve melhorias, e convenhamos as mudanças para uma sociedade que já atingiu a imortalidade podem ser muito sutis. Termine a série vale a pena

não vou reclamar do cara fazer a mesma cara. existe personalidade que a pessoa é inexpressiva. ISTP, o Artífice (o mais pragmático e hábil com ferramentas) – “pronto pra tentar qualquer coisa uma vez”: muito observador, frio e indiferente, mãos à praticidade, despretensioso, pronto para o que acontecer. (Ti, Se, Ni, Fe) clint eastwood , scarlett Johansson , Kristen Stewart , demi moore , christian bale ... todos são frios tipo , heróis de filme de ação dos anos 90. não sei se o personagem que o Joel Kinnaman faz tem essa personalidade ou se a personalidade é dele mesmo.

tipo personagem principal é estereótipo de samurai urbano ?

nus frontais. yeap!!!

Achou que ia se decepcionar com a Netflix mais um vez? Achou errado, otário.

Caso você tenha uma TV "4K" você verá nesta serie os melhores efeitos da tecnologia HDR

Assisti os 10 episódios,e sinceramente, a Netflix se superou, intrigante do começo ao fim boas atuações mesmo de quem não estava vindo bem ( Joel Kinnaman ), mostra lados do que aconteceria com os menos desfavorecidos como por exemplo a filha de 7 anos que volta no corpo de uma idosa por a família nao ter dinheiro de comprar uma "capa" melhor, e tbm dos ricos que se auto em titulam Deuses dos novos mundos. O final é ótimo e deixa bem claro que vai ter uma segunda temporada só não da para saber se no mesmo arco da primeira temporada... enfim ja quero mais !

Que horror de comentário, por que não discordar com educação, ou melhor, fundamentos? Está desafiado: diga por quê o enredo tem sentido, quais são as explicações lógicas que amarram a narrativa, e como a motivação dos personagens é relevante. Por fim, você julga essa a melhor série do netflix? Se tiver argumentos, não precisa se autodeclarar burro e xingar outra pessoa, é só escrever seu ponto de vista.

Eu aprovo! Muito bom! Assisti os primeiros 2 eps...

Achei muito boa, um pouco exaustiva, alguns diálogos muito longos, porém a critica te deixa bem preparado p tudo o que está por vir, quem tem o costume de ler as criticas antes de continuar a serie (como eu), não se decepcionou...

Comecei a assistir e achei mediana, o que vi condiz com a crítica, mas pra mim esses pontos negativos de roteiro pesaram um pouco mais.

Calma jovem!!! Pra quê tanto ódio no coração?

So escreveu merda,o que mais tem nessa serie é explicaçao,"enrendo sem sentido" cara da onde tu tirou isso?babaca,pior serie é um pau no seu cu

É um game of thrones moderno

Cada episódio apresenta uma série de ramificações que explodem a sua cabeça. Até o 5º ep, segue nessa linha, apresentando conceitos ou personagens. Sinto que uma certa família com uma certa filha problemática não precisava estar ali e acabou gerando a pior cena da série - numa proposta tosca de empoderamento feminino. Sério, não precisava, a série já tem uma cientista capoeirista fodona líder da resistência; uma ninja inacreditavelmente gostosa e sanguinária; e uma policial linha dura e boca suja, praticamente Dirty Harry de saia. Enfim, cruzando os dedos por uma segunda temporada. Gostei bastante, apesar dos defeitos na resolução da trama do assassinato, que realmente deixou a desejar. Mas escolheram bem a vilã, maravilhosa em todos os sentidos; os três atores que atuam como Takeshi (um deles basicamente só luta mesmo); e o Poe, a IA que serve como braço direito do Takeshi - melhor personagem disparado. Quem gosta de sci-fi, pode maratonar sem medo.

O conceito é legal, mas o enredo não tem sentido algum. É tudo muito mal explicado, a motivação dos personagens é completamente tosca e mal colocada. diria que é uma das piores series originais da netflix

Ai deveria existir um grupo de extermínio pra destruir o chip deles.

tbm terminei em dois. mas mais pelo fato de querer terminar logo - por ter poucos episódios - do que interesse nas voltas infinitas que a história dá

Me incomodou a estagnação da tecnologia/sociedade nos 250 anos de congelamento do cabra...poderiam ter trabalhado isso bem melhor. Mas ainda estou no terceiro capítulo.

Sem falar que ele se "adapta" a sociedade em uma velocidade vertiginosa, sinal de que nada mudou em 250 anos (ela já sabe usar o dinheiro, a realidade virtual tá na mesma da época dele)...etc

É um cosplay pq Blade Runner definiu um gênero. Mas tem historia, tem mitologia própria.

Nao sei se é problema de roteiro ou as falas, mas aquela detetive Kristin Ortega, que atriz horrível. Bom, vou assistir os próximos episódios pra ver se ela melhora.

Terminei em 2 dias.

Série ótima mesmo, minha favorita da Netflix desde Stranger things.

É que bom gosto mesmo só tem quem escreve "mal" gosto. Tá "serto"!

Quando mostram o que os ricos costumam fazer naquele Motel voador foi bem impactante.

Fico pensando no mundo assim, de imortalidade, imaginando pessoas como sarney, collor, renan,etc, vivendo para sempre e com saúde, as mesma pessoas comandando o mundo, para sempre

Boa critica, pelo menos bem condizente com o que vemos realmente, sem viagens e mimimi como dos outros. Viu Omelete, da pra fazer sim boas criticas, só ter gente que saiba fazer. Parabens Arthur, fui atras de ler outras de mesma autoria e todas sao bem coerentes também. Mandando muito melhor que os veteranos do site!

E ainda assim é uma copia. A questão que levantei é que não há imortalidade, há uma copia perfeita, mas o original morre do mesmo jeito. Ninguem viveria pra sempre fazendo copias de si mesmo.

parece ser uma série bem promissora!

Série maravilhosa!!

Curioso com que? o cara sofreu pacas, a época do vislumbre já passou para ele, na verdade ela quase não existiu, e essa era a era da imortalidade, quando ele era criança já era um negócio velho, 200 anos nao é nada

Maratonei, de madrugada, simplesmente não consegui parar

Assisti 2 episódios e tive a mesma impressão que você sobre os diálogos, aí eu fui ver quem era a roteirista e é a mesma do decepcionante Terminator: Genesis, e com isso foi embora minhas esperanças de que a série pudesse melhorar com o decorrer da temporada..... E não ligue pra essas pessoas te atacando, eles não conseguem mais respeitar uma opinião diferente da deles

todo mundo que curte cyberpunk deveria assistir Altered Carbon. Muito bom.

Minha vida já acabou: Na sequência, Dark, Friends, Unabomber, Fargo......

Fantasia: https://www.dicio.com.br/fantasia/ Ficção científica: https://pt.wikipedia.org/wiki/Fic%C3%A7%C3%A3o_cient%C3%ADfica

pensa assim: É melhor que Punho de Ferro...kkkkkkk

Quanta violência

É pq vc n entende porra nenhuma e tem mal gosto.

O que te falta é informação. Entenda que essa transferência de consciência é justamente transferir todos os dados presentes no cérebro naquele momento a nível celular, ou seja, a cópia é feita com todos os detalhes de células e neurônios no momento do backup, em essência, é a cópia exata da mente da pessoa. A mente e memória humana nada mais são do que os contatos químicos e elétricos entre os neurônios, coisa que pode ser replicada caso se tenha tecnologia para isso, o que é possível na realidade da serie q se passa num futuro. A serie não é obrigada a falar sobre esses detalhes, porq fica tudo subentendido. Entendo que será uma cópia, mas tão realista que seria na verdade a pessoa "original", por ter as mesmas características.

Para enriquecer a discussão, um recém vídeo do Michio Kachu. Tenho umas ressalvas, porque obviamente definir o que é consciência é algo complexo. Podemos ser exatamente agora apenas uma projeção de algo maior que o próprio corpo, ou residir em diversas áreas neuroniais. https://futurism.com/videos/michio-kaku-could-we-transport-our-consciousness-into-robots/?utm_content=buffer8cfde&utm_medium=social&utm_source=facebook.com&utm_campaign=buffer

Bom, eu gostei muito mesmo. Espero que tenha uma segunda temporada. E quanto a atores fracos, é o que mais temos nas séries... Nem vou falar de uma famosa, onde um dos protagonistas por mais de doze anos faz as mesmas caras do primeiro episódio... kkkkkkkkkkkkkkkkk E quanto aos que dormiram, bom assisti aos dez epis seguidos, justamente pq perdi o sono pensando em todas as ramificações. Bom, gosto é como nariz... ;-)

Um Cosplay de Blade Runner, mas nao é ruim nao... tem bosta bem pior q chamam de bom por ai

mas , como ali é futuro , não sabemos como é a forma de transferir arquivos. então ta valendo e não valendo.

kkkkk eu tb, e fiquei com a mesma dúvida.

Eu pensei a mesma coisa quando vi uma sinopse antes da estreia, e ao ver o inicio da série. Porém, todavia, contudo... quando usaram a palavra "consciência", ao dizer que é ela quem é transferida pro "chip", aí sim eu comprei a ideia. Fora que é muito perigoso afirmar que determinada coisa é impossível de ser realizada. As vezes nesse conceito apresentado pode ser (ou não), mas em outros sim. Não sabemos é de porra nenhuma.

Discuta aqui no site Discuta aqui

O Omelete disponibiliza este espaço para comentários e discussões dos temas apresentados no site. Por favor respeite e siga nossas regras para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas.

Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

blog comments powered by Disqus