Netflix/Divulgação
Séries e TV - Thriller, Crime
La Casa de Papel (2017)
(La Casa de Papel)
  • País: Espanho
  • Classificação: 16 anos
  • Estreia: 2 de Maio de 2017
  • Duração: 70 min.

La Casa de Papel - 2ª parte | Crítica

Segunda metade de série espanhola conquista ao brincar com imprevisibilidade e trocar personagens de lado

Se a primeira metade de La Casa de Papel  prende o público em um jogo de gato e rato, na segunda, gato e rato se misturam, se confundem, trocam de lado e a coisa perde qualquer vestígio do maniqueísmo habitual de tramas de perseguição. A produção do canal espanhol Antena 3 e distribuída internacionalmente pela Netflix acompanha por mais nove episódios o desenrolar do maior roubo de todos os tempos partindo do que seria a maior crise da operação e indo até o encerramento do plano. Com mais de 60 horas de roubo nas costas, a nova fase utiliza o esgotamento de todos os personagens como principal recurso narrativo e coloca o Professor em confronto direto com a imprevisibilidade inerente à vida.

La Casa de Papel retorna com o desenrolar de um cliffhanger que soa inicialmente decepcionante, supostamente abordando a falha mais grave do Professor até então. A primeira leva de episódios fez um trabalho tão bom ao apresentar o personagem como alguém obsessivamente cuidadoso que faz o público questionar se o deslize de deixar a casa onde todo o plano do roubo foi arquitetado à mercê de ser encontrada pela polícia era algo coerente. Para alívio de quem apostava na coerência narrativa, logo o público é informado que o Professor (Álvaro Morte) segue dois passos à frente da polícia, mas isso não quer dizer que seu plano siga intocado.

Mesmo com o caos dentro da Casa da Moeda, garantida especialmente pelo descontrole de Tóquio (Úrsula Corberó) e Berlim (Pedro Alonso), o plano só é realmente comprometido por um pequeno desvio que toma proporções gigantescas: o envolvimento entre o Professor e Raquel (Itziar Ituño). Em dado momento da atração, a relação dos dois é o que ora ameaça todo o plano, ora o que garante. É através desse casal que a série deixa de ser um thriller exclusivamente focado em um roubo e ganha novas camadas dentro de um debate filosófico sobre construção de certo e errado, sobre justiça e sobre repensar verdades absolutas. Todos os protagonistas da série possuem jornadas interessantes nesse sentido, mas, de longe, a de Raquel se destaca positivamente nos episódios finais.

Há de se elogiar a habilidade dos roteiristas da atração em espremer todas as variantes possíveis em um assalto e jogá-las, sem medo do excesso, na tela. Se a primeira remessa de episódios traz uma quantidade improvável de eventos durante o roubo, a segunda se arrisca a fazer coisas que vão desde a morte de personagens carismáticos até a captura de um ou outro de seus protagonistas, envolvendo o público em subtramas que não fazem nada além de girar no próprio eixo até estacionarem novamente no ponto de partida. É inegável a sensação de que a trama principal poderia se resolver em menos episódios, mas há algum mérito no fato da atração não deixar a peteca cair mesmo quando está claramente fazendo hora extra.

Não que a promessa fosse outra, mas o caráter novelesco da primeira parte da minissérie permanece em cada segundo da nova remessa de episódios e é isso, inclusive, que dá o tom do final da minissérie. O encerramento da trama utiliza pequenos clichês que acabam funcionando como guilty pleasure para grande parte do público, mas, ainda sim, esses recursos são aplicados com parcimônia para não prejudicar a personalidade da atração - nada de casamentos ou mocinhas grávidas vestidas de branco na cena final, para alívio do público, mas redenção de personagens odiáveis sob a forma de sacrifícios e reencontros emocionantes de casais após um salto temporal.

Quem gostou da primeira metade da atração provavelmente não se decepcionará com a segunda. Pelo formato original de minissérie, a trama poderia ter dedicado mais tempo em dar finais mais sólidos para seus protagonistas - o formato de deixar o futuro deles em aberto, ainda que com sugestões óbvias para a maioria, não supre tão bem as expectativas do público. Ainda que com ares utópicos que só podem ser digeridos se o público estiver disposto a aceitar doses cavalares de liberdade poética, a série se despede sem grandes problemas. Curiosamente, La Casa de Papel foca mais em criar situações mirabolantes para o meio de caminho e deixa para o final todas as saídas mais práticas, ainda que carregadas de tiros e explosões. Ao terminar o último episódio, fica no público a sensação de diversão despretensiosa e, é claro, o eco de “Bella Ciao” tocando por algum tempo no fundo da cabeça.

Nota do crítico (Bom) críticas de Séries e TV
 

Se o Mahone ou o Michael Scofield do Prision Break estivessem no lugar da inspetora esse assalto não duraria 4 horas.

A inspetora estava comandando o maior assalto do país com direito a transmissão ao vivo da TV. O professor executando um plano que planejou por 10 anos. Eles se conhecem em um bar, ficam íntimos, transam e viram amiguinhos em 2,5 dias (60 horas). Sabe qual seria a chance deles se envolverem? Zero! Pura novela.

Professor teve mais sorte do que inteligência. Por várias vezes o seriado colocava ele no lugar certo, na hora certa, onde do nada ele conseguia ouvir algo que ele nunca ouviria (como pegar carona no carro onde tinha uma prova contra ele, a investigadora convidar ele para ir na cena do crime (detalhe que conhecia ele fazia dois dias apenas), etc..

Por várias vezes eu falava pra minha esposa "pára, isso parece novela"...rs Aquele professor tinha mais sorte do que inteligência. Diferente do Michael Scofield do Prision Break onde o cara realmente era inteligente.

Se você gostou desse, então recomendo a 1º temporada do Prision Break. O roteiro é basicamente o mesmo: Uma pessoa planeja entrar em um lugar e faz um plano para alcançar seu objetivo. A diferença é que a pessoa que planeja tudo isso é inteligente e as coisas acontecem com lógica. Nesse La Casa de Papel muitas vezes parecia novela.

Por muitas e muitas vezes, eu e minha esposa falava "Pára, nada a ver. Isso parece novela". Paramos de ver no 1º episódio da parte 2 depois do professor conseguir pegar carona com o carro da políci aque tinha as provas e aquela cena ridícula da briga dentro do carro.

La Casa de Papel é previsível e algumas soluções de roteiro são muito convenientes. Ela é cheia de clichês batidos de Hollywood e, no final, esses problemas ficam mais aparentes ainda. Mas por outro lado, ela prova que saber trabalhar seus personagens pode ser uma das maiores vantagens dentro de uma história que, nesse caso, empolga em muitos momentos. Muitas produções de Hollywood ou da TV não se dão nem a esse trabalho e muita gente as mantém vivas. Essa série tem ótimas atuações, uma trilha sonora bastante notável e é tecnicamente bem produzida. Muita produção americana não chega aos pés... Como disseram mais abaixo, é cool ser do contra. A turma se esquece que entretenimento não tem obrigação de ser impecável ou de se comprometer com realismo. Não precisa ser binário, basta nos tirar da realidade (de merd@) e trazer um pouco de diversão. Ser ou não considerado cult não garante p0rr@ nenhuma! Eu adoro ver os filmes de Hitchcock, Bergman, Leone, Kubrick ou Scorsese. Adoro pensar sobre eles, analisar suas nuances, atuações, mensagens, paleta de cores, linguagens visuais, etc. Se tem uma arte que gosto de pesquisar é cinema. Mas isso não me transforma num pseudo-cult chato pra c@r@lh0 como muitos que vejo falando na internet sobre essas coisas. Não existe fórmula certa pra arte e entretenimento... essa é a beleza da coisa. Eu consigo, por exemplo, curtir os filmes de Inarritu, mas discordar ferrenhamente da opinião generalista, babaca e prepotente dele de dizer que os filmes de super-herói são um genocídio cultural. Arte e entretenimento podem criar preferências da parte do público, mas não precisam seguir fórmulas...

Eu adorei , diálogos as veses comico e situações tensas deu tempero a série , deu pra prender a atenção nota 7 .

Série pra quem não gosta de pensar, tipo nenhum pouco mesmo. Chega a ser ridículo o tanto de furos que ela possui. Guiam a série por uma narração em off de uma personagem que na narração é uma coisa, mas em cena é totalmente diferente, sem contar seu protagonismo que não é justificado. Os criadores dessa série devem se achar os caras mais inteligentes do mundo, que sua obra é tão complexa que poucos entenderiam, só isso explica a necessidade de ficar o tempo todo lembrando a audiência a característica de tal personagem, como se todo mundo fosse burro pra não entender por suas ações. Pintam o tempo todo que o Professor é um cara inteligente, sendo no plano principal que é o roubo da casa da moeda é a coisa mais simples que você verá em uma historia fictícia. O final consegue ser mais previsível e decepcionante que a série como um todo, mas que gosta de uma farofinha morfada pintada como um prato gourmet, vai fundo.

é muito clichê, parece novela

Não vi a série, mas dois amigos falara exatamente a mesma coisa que você. E disseram ainda que tem muito furo de roteiro, lenga lenga e poderia ter sido resumida em um filme.

quando a serie faz sucesso em facebook e twitter, pode questionar a qualidade da serie, prefiro muito mais dark e mind hunters

Gostei muito da série .. todos os personagens são carismáticos e por outro lado alguns são odiosos ,como devem ser , exemplo do chefe da inteligencia.. Claro que a série é cheia de situações que jamais aconteceriam na vida real mas é uma ótima diversão do começo ao fim.

Bella ciao n sai da mente....o ultimo episodio da parte 1 m lembra mto o penultimo episodio de breaking bad....arrepi e eh espetacular

Gostei da série, mas em alguns momentos não parecia um assalto a banco, e sim uma micareta devido a pegação geral. Observei diversos furos com relação a parte operacional da quadrilha e uso de armas, algo que não deveria existir em um grupo tão bem treinado, sem contar outros furos no roteiro, mas de qualquer forma gostei bastante.

O desfecho da série é coerente com todo o desenrolar da trama. O Professor parece alguém muito meticuloso e o seu plano parece, à princípio, infalível, porém já pararam pra pensar que, se a investigadora não tivesse cedido às investidas do Professor na cafeteria, o plano dele não avançaria? Quem garantiu ao Professor que Raquel Murillo fosse cair tão facilmente no seu jogo? Partindo do princípio de que o Professor é algumas vezes retratado na série como alguém sem muito traquejo social, o desfecho da paquera soaria meio improvável. E Raquel Murillo é descrita na narração em off como uma investigadora com faro aguçado e um histórico de sucesso em casos importantes, mas suas atitudes na trama não condizem com essa descrição. Me parece que esse histórico de relacionamento abusivo da personagem foi criado de última hora para justificar esse furo de roteiro, mesmo porque a trama do relacionamento abusivo é bastante sub-explorada na série. Então, se você assimila essas licenças poéticas em nome do bom entretenimento, não acha incoerente esse final novelesco da série. O resultado final é uma mistura encorpada de filmes de assalto hollywoodianos, séries policiais, cinema argentino e telenovelas latino-americanas.

A Globo fazia de 50 a 60 pontos há apenas 12 anos atras, 40 é uma queda enorme

Isso me incomodou bastante, mas no fim das contas, acho que o Professor segurou as pontas de todo mundo ali...hehe

Ficou mais enrolado, mas mesmo assim não foi encheção de linguiça entediante como outros seriados. No geral, gostei muito.

Cara, sei lá, eu gostei...melhor que muita série pretensiosa americana. Foi divertido de ver, e me prendeu até o fim. No final das contas, é coisa de gosto mesmo...e, dessa vez, fico feliz em ter gostado de algo que boa parcela também gostou...

Grey's Anatomy sim estou achando novelesca demais. La Casa de Papel consegui relevar muitas coisas, mas Grey's Anatomy me cansou na primeira temporada...e olha que tem mais 13 depois disso...

Não duvido de nada hj em dia! rs The Knick, tá ai uma série que está na minha lista há tempos pra começar.

Já assistiu Supermax? k

Marketing.

Sim como naquelas cenas que tem no Velozes e Furiosos, já que a série toda é um clichê.

Muita enrolação esse segunda parte, fora os dialogos que pareciam ser bem infantis e o final poderia ser algo '' repetitivel '' como na cena final do Velozes e Furiosos onde mostra o paradeiro de cada um... E eu falei repetitivel porque eu assistir a série toda com a impressão de ter visto aquilo, tipo umas cenas tirada de uns filmes ou outras séries.

Oh My Block é muito bom, ninguém descubriu ainda.

Eu larguei TWD na terceira temporada kkk

The noite é bom mas passa muito tarde

Pública? Acho que se passa em uma escola privada.

Você viu a classificação da série?

Ta tirando? Strange Things é ótimo !

Achei uma das melhores séries... mas sinceramente nos últimos episódios eu acho que se perdeu muito, se perdeu justamente porque os sequestradores conseguiam ganhar vantagem durante o sequestro porque eram mais inteligentes, por terem planejado tudo milimetricamente, porém nos últimos episódios começamos ver eles, sequestradores, conseguirem sair da casa de papel apenas por consecutivos erros da policia e do serviço de inteligência e desencontros, erros de esquadrões treinados para atuar nessas situações. Poderiam ter mantido o padrão da 1ª Temporada, mostrando os sequestradores sempre um passe a frente dos órgãos de segurança, mas preferiram colocar eles se confrontando e conseguindo ganhar no confronto direto com a policia.

É preciso abrir mão de várias coisas pra assistir La Casa de Papel, mas, já não fazemos isso assistindo às milionárias produções de Hollywood? Algumas partes me deixaram inquieto, como o pessoal que muda de lado muito fácil, mas dá pra relevar numa boa. No geral, é um ótimo seriado, e melhor ainda, faz a gente sair da mesmice de ficar "pagando pau" pra seriado americano. Recomendo assistir, já estou sentindo falta do seriado, e, como disse o crítico, ainda estou com "Bela Ciao" tocando na cabeça....

Aq nos comentários tá cheio de "adultões cults"

Desde o início achei a série meio sem alma, apenas assistível.

Um site que BABA OVO da Marvel em tudo que faz é de se esperar uma critica tão patética. Parabéns Omelete, por cada vez mais dar oportunidade para sites como jovem nerd crescer kkkkkk

Se a Globo quisesse mostrar o real dia a dia de uma escola pública, tinha que mostrar as dificuldades do professor carioca que tem sido maltratado pelos governos, a falta de segurança que rodeia as instituições, com assaltos dentro de salas de aulas, alunos irritando professores e até agredindo, os bullings que são rotina junto as brigas entre meninas na saída... mães oprimindo professores e diretores jurados de morte por alunos marginais... enfim... essa escola pública da Globo é surreal de tão boba e caricata

Pelo jeito é "cool" ser do contra.

Gosto da Serie mas parece novela mexicana (apesar de espanhola rsrs)

a serie é interessante foi mais o boca a boca que elevaram o status dela.

Você já viu o absurdo que está 'Malhação' hoje em dia ? sério, não quero politizar o post aqui, mas está RIDÍCULO, não que eu assista malhação - ou sequer a Globo, mas chega a ser asqueroso o discurso esquerdista.

Nem me fala, estava assistindo 'The Knick' semana passada, e tem pessoas que ACREDITE, consideram Greys Anatomy como o pináculo de séries de medicina...pois é.

Vc já deu uma olhada na programação das rivais da Globo? Realmente o povo merece assistir somente novelas se as outras não tem nada a oferecer

Engraçado é ter crise e ainda ter 40 pontos no ibope...

A ideia era boa, mas o roteiro raso, diálogos e atuações muito, muito fracas, à exceção do professor e principalmente de Berlim. A protagonista e o par (Rio) parecem atores iniciantes de "Malhação". Talvez a fórmula funcione justamente por atrair público adolescente. Inobstante roteiro, falas e atuações pueris, o mérito do autor é saber fechar os episódios com bons clímax e ganchos. Mas não vale a pena perder tempo, têm coisas muito superiores por aí.

bem fraquinha, atores péssimos, a tal genialidade do professor, caiu por terra com planos idiotas

Fraquíssimo o desfecho. A série apresenta limitações do início ao fim. Porém dava pra ter feito bem melhor o fim. Pareceu novela da rede Globo. Mas, levando se em conta que é uma produção Espanhola e para um público adolescente e para brasileiros tá bom demais

Nossa, achei pouquissimas cenas assim.

Três ovos é pouco. Quatro estaria bom. Aliás, quando o omelete coloca (1) Ruim (2) Regular (3) Bom (4) Ótimo (5) Excelente, foge do padrão: (1) Péssimo (2) Ruim (3) Regular (4) Bom (5) Ótimo. Ora, o regular é o centro. Nem bom, nem ruim.

"Adonnnnnquerarôôô" KKKKKKKKKKKKKKKKKK

Concordo, brasileiro já é meio modinha, então quando série vira moda nas redes sociais, realmente é bom desconfiar da qualidade.

stranger things e la casa de papel os hypes de ouro da netflix, roteiro q é bom..............

acho assim... estava adorando... porém só tem cena porno... afff minha filha chegou ontem do balé e viu uma cena de sexo ridiculo!!!! estou passada com esse constrangimento!!!

Adoro essa série, mas achei a segunda parte chatinha. Sei lá... Esperava mais do professor, mas é aquela coisa né, você conhece alguém, se apaixonada e consequentemente, se fode. O pior pra mim, é que eles se envolvem, mas sei que é impossível isso não acontecer. A série realmente é surpreendente e muito inteligente, isso é o que faz ela chamar atenção e ser destaque.

Tanta série boa como Fargo, Mindhunter, passam despercebidas e uma série tão novelesca e em diversos momentos caricata e bizarra, faz tanto sucesso, vai entender..

A melhor contribuição da série

Original eu gostei de House of Cards até a quarta temporada e Orange is the new black até a quarta também, as demais são descartáveis. Que não é deles eu não sei muito bem o que tem, pois eu baixo e não vejo se tem lá

hahahahhahhahaha... fato

Concordo, Petyr. Tudo que faz alvoroço nas redes sociais tem que se desconfiar. Série besta!

Eu concordo. Mas to falando as novas produções que estouram nunca me pegam... como 13 reasons, stranger things, marvels...

Toda não, la tem muito produto de qualidade, sendo autoral e não no catálogo da plataforma!

Mas se souber procurar, as melhores series no catálogo são as menos badaladas, desde The OA, Dark e Mindhunter, que são originais da plataforma, até The Sinner, As Telefonistas, Farg, Vinkings, etc, só saber procurar que acha, Netflix é uma mina de ouro!

Bella ciao, bella ciao, bella, ciao, ciao, ciao!

Ahhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh, a série não é um Westworld, mas é boa sim... tanta mer.. série ruim pra apedrejar...

Recentemente eu vi uma entrevista com a atriz Maitê Proença, onde ela disse que a maior emissora do brasil, tem passado por uma crise de audiência em suas novelas... pois a Globo tem notado que o seu público estagnou, parou no tempo, onde o público de hoje em dia, tem encontrado dramaturgias em mídias diferentes, como Netiflix e demais do tipo... assim, para contornar essa perda de público, ela simplesmente demitiu grande parte de seu elenco velho e tem, substituído por carinhas novas, porém ainda assim a emissora vem sentindo muito o peso desse tipo de concorrência...

O final de penny dreadful foi uma b#sta mesmo, tb falei a mesma coisa na época q o final foi feito às pressas parece q o criador da série ficou com raiva do cancelamento e fez de qualquer jeito agora às duas primeiras temporadas são f#das até a metade da 3 eu gostei tirando o final

Cara, se tem a pegada de Prison Break, eu interpreto como algo que valha a pena assistir

O Twitter é em sua esmagadora maioria composto por adolescentes, a maioria não tem senso critico e preferem series mais formulaicas e limitadas. Vou passar a ignorar as series que fazem sucesso por lá.

Fargo eu coloquei tbm heheh. Obra prima demais ^^

Revil. Hahahahaha putz!!!!!!!

Eu, diferente de você achei a série muito ruim, mas concordo que faltou ver o que tinha acontecido com todo mundo

Mais fácil é ignorar toda e qualquer série da Netflix.

A melhor novela da Globo que assisti há anos, nota 5 de 10

Essa série é muito ruim. Como a maioria das coisas que estouram na netflix.

E game of thrones gente this is us e eu adoro big little lies quando assitir ja gostei de cara legion " que viagem é esse" que tambem amo adorei as recomendações de voces ja vi todas a caminha de terminar fargos

Exatamente nao gostei dela

Hahahahahaha o público (principalmente o do Twitter) gosta de coisas mastigadinha e fácil de entender, por isso que séries como essa La casa de papel faz tanto sucesso.

Essa série tá mais pra novela mesmo, vou terminar de assistir porque não gosto de deixar as coisas pela metade, é a mesma coisa que tô fazendo com TWD

Querem uma série espanhola e realmente boa? As Telefonistas!

A terceira temp concordo, mas especifiquei a primeira e a segunda de PD, que são ótimas. A segunda então tem um arco fod# com a Eva Green! Mas claro, cada um com seus gostos e opiniões.

Depois de ter assistido La Casa de Papel, vou estabelecer um critério pra assistir novas series, sempre que uma serie da Netflix fizer sucesso nas redes sociais (Twitter e Facebook) irei ignora-la. Au Revoir.

Em uma escala de 10.

review...... vc quis dizer..

acho que ela é boa em promover as séries...

não entendo porque o pessoal fala nesta série....parece que o hype é muito exagerado..

Carai, acabei de assistir a primeira temporada e pqp. Como eu perdi o meu tempo. Boa sorte pra quem vai assistir a segunda.

Essa série é bem fraca... é uma versão pior da primeira temporada de Prison Break, na qual um suposto gênio tem um grande plano e tem que lidar com as imprevisibilidades. A motivação do Michael (em prison break) era mais "nobre" do que a do professor, então você empatiza mais com ele... já a personalidade do professor é construída em torno de alguém com valores humanos (tanto que o plano inicial todo é imprenscindível que ninguém seja ferido para angariar a empatia da nação em torno dos "criminosos") mas considerando que o plano em si é um assalto, essa suposta nobreza tem desde o princípio seu valor questionado. Sem contar que os personagens (e diálogos) são diversas vezes extremamente infantís.

Seu comentário estava indo bem, mas quando vi Penny Dreadful já virou sacanagem. Penny Dreadful é péssima. Se tivessem cancelado e deixado sem final seria melhor do que fazer aquele final às pressas tosco ao extremo.

A série é bacana, apesar de Tokyo e Rio serem insuportáveis do começo ao fim. Única frustração foi não mostrarem como todos ficaram depois, seria bacana de ver.

Falo no sentido das series que estão no catalogo da Netflix serem geralmente muito superestimadas pelo publico.

Muito boa série! Análise do meu canal em: https://www.youtube.com/watch?v=1avP3zO9FRY

Essa serie não serve nem pra Guilty Pleasure, não entendo como tanta gente gostou dessa serie, na verdade não consigo entender o porque das series da Netflix serem tão superestimadas pelo publico.

Xiu ameba.

Pior série que eu já vi na minha vida. E olha que eu gosto de olhar série ruim (flash, LOT, etc). Parece uma novela das 9 só que mais forçada.

Só não gostei da forma como o Professor foi descoberto, no mais até que é bem legalzinha a série!

A primeira temporada de True Detective é uma obra-prima.

Olha quem fala!

Galera do Omelete assiste todas as séries do CW via download, faz revil antes de passa na warner, ai quer convencer a gente que viu agora a segunda parte. Tão querendo enganar que?

Uma das melhores séries desses últimos anos.

Discuta aqui no site Discuta aqui

O Omelete disponibiliza este espaço para comentários e discussões dos temas apresentados no site. Por favor respeite e siga nossas regras para participar. Partilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas.

Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

blog comments powered by Disqus